Saiba os perigos do dermaroller caseiro

Os problemas do dermaroller caseiro

Você já conhece a técnica do microagulhamento que tem virado febre principalmente entre as mulheres? O método visa melhorar problemas de pele e é feito com um aparelho chamado roller que varia entre 0,25mm até 3,0mm e sua utilização é indicado de acordo com a necessidade de cada pele feminina.

Com a ascensão dos blogs, vlogs e influenciadores digitais, algumas pessoas acabam levando a sério demais o que é dito nessas plataformas e às vezes acabam seguindo recomendações dadas com inexperiência no assunto. Isso tem acontecido muito, ainda mais quando se tratam de processos que têm relação com estética.

O Dermaroller, como é conhecido o rolo que vem sido comercializado, tem a finalidade de provocar pequenas lesões na pele para que haja regeneração na local onde foi provocada e acabem promovendo a formação de colágeno e elastina.

Porém, é preciso a aplicação um anestésico na área a ser tratada já que o roller provoca microfissuras e perfurações na pele, e a sua reutilização é proibida pela ANVISA.

E é aí que entra o perigo, essas recomendações básicas acabam não sendo seguidas, o que torna o tratamento inútil e possivelmente prejudicial à própria saúde, já que exige habilidade e conhecimento do profissional sobre fisiologia, anatomia, cosmetologia, reparação tecidual, alterações estéticas, entre outros.

Motivos pelo qual você nunca deve seguir essa prática em casa:

✔️ É preciso um intervalo mínimo de 21 dias entre as sessões para os considerados rollers terapêuticos (acima de 0,5mm), exceto em alguns casos especiais.

✔️ Faz-se indispensável o uso de equipamentos de proteção individual para a execução do método (luvas, toucas, máscaras, aventais) especialmente em casos que usem tamanhos de agulha que possam provocar sangramento.

✔️ Se você tem tendência a ter queloide, acne, herpes ativa, câncer de pele, alergia ao metal, pele sensível e principalmente diabetes pois como dito, há um pequeno sangramento da pele, o que pode servir como porta para entrada de bactérias, e consequentemente infecções.

✔️ Não existe esterilização para este produto, ou seja, seu descarte é obrigatório após a utilização.

Ou seja, nada de seguir essas práticas sem acompanhamento de uma pessoa especializada que saiba realmente o que está sendo feito com a sua pele. Caso deseje saber mais sobre o microagulhamento, marque uma consulta ligue já para a Dra. Simone Stringhini! A Clínica fica localizada no Centro do Rio. Rua da Assembléia, nº 10 – Sala 3105

Voltar para todos os Posts